Estabilização Segmentar

O termo Estabilização Segmentar Vertebral define condutas fisioterapêuticas específicas que, tem por objetivo, utilizar o sistema muscular para a estabilização da coluna vertebral cervical ou lombar no tratamento da dor aguda ou crônica. Esse conceito foi idealizado por um grupo de fisioterapeutas australianos da Universidade de Queensland baseado em diversos trabalhos científicos: o de que a estabilidade vertebral depende da integração de três subsistemas, o sistema passivo (coluna vertebral), o ativo (muscular) e o neural ou de controle (sistema nervoso periférico e sistema nervoso central).

Músculos profundos da coluna lombar, como o transverso do abdômen e o multifido, são responsáveis por esta estabilização. Evidências científicas demonstraram que na presença de dor, na má postura, na fadiga muscular, degeneração e trauma ocorrem alterações na integridade dos sistemas, levando a perda do controle muscular da região. Desta forma, o conjunto estabilizador da coluna lombar perde sua função, tornando-a instável. Esta instabilidade local é compensada pelos músculos próximos à região produzindo contraturas crônicas, espasmos e dor.

Um programa de exercícios fisioterapêuticos específicos têm por objetivo reabilitar os músculos estabilizadores profundos de forma seletiva, enfatizando o controle segmentar da coluna lombar ou cervical. O tratamento fisioterapêutico por meio da estabilização segmentar recupera a contração conjunta e antecipada da musculatura profunda estabilizadora, que age como uma cinta interna para fornecer a estabilidade da região. O tratamento é dividido em três estágios respeitando os princípios do aprendizado motor e o controle consciente dos músculos profundos estabilizadores da coluna.