Terapia da Percepção Corporal

O movimento auxilia na formação da imagem corporal, propicia mudanças comportamentais positivas principalmente no autoconceito e auto-estima, melhora a satisfação com a aparência do corpo e desenvolve a percepção corporal.

Patologias neurológicas, que afetam principalmente o hemisfério cerebral direito, acarretam em alterações de percepção relacionadas às distorções visuo-espaciais, distúrbios da percepção corporal, negligência unilateral e desorientação espacial. Exemplos destas patologias são a Síndrome de Pusher e Síndrome da Negligência Espacial Unilateral. É comum a apresentação destas síndromes em sujeitos que sofreram de Doença Encefálica Vascular (DEV).

Outra patologia que está associada à alterações da percepção corporal são os Transtornos Alimentares (TA), que faz com que o indivíduo perceba sua dimensão corporal maior do que ela realmente é levando a distorção patológica de sua dimensão e reconhecimento corporal. A adequação da percepção corporal é de grande importância no tratamento e também para a prevenção de recaída. (leia Transtorno Alimentar)

O que as patologias neurológicas citadas e os TA têm em comum é a alteração da percepção corporal, isto se deve a relação que elas tem com a mesma área cortical que está localizada no hemisfério cerebral direito: a área parietal (ou área do esquema corporal). Ela é responsável pela construção da percepção corporal que inclui o reconhecimento dos segmentos corporais que o constituem, da forma, dimensão e dos limites do próprio corpo. Quando ocorre alguma falha na comunicação neste mecanismo na área parietal, facilita o desenvolvimento da distorção da percepção corporal

O intuito da Terapia da Percepção Corporal é aprimorar a percepção corporal por meio de diversas atividades corporais. Estas atividades produzem estímulos exteroceptivos e proprioceptivos que são encaminhados ao córtex parietal para construir o esquema corporal. Os estímulos corporais necessários para este mecanismo podem ser fornecidos por meio de atividades corporais específicas que respeitem a fisiologia neurológica da construção do esquema corporal.

Os objetivos principais  da Terapia da Percepção Corporal incluem a criação de um melhor contato com o corpo e aumentar a tolerância para diferentes sensações motoras sensoriais. A interação psicomotora é treinada através de diferentes funções do corpo, da capacidade de ter uma postura estável e organizada, de perceber os apoios dos pés, de ser capaz de coordenar o movimento com a respiração, buscar o centramento do corpo (coluna e região abdominal) e ter a capacidade de percepção da relação do corpo com os espaços ao seu redor.  Salientamos que para o tratamento dos TA é necessária uma abordagem multiprofissional onde o trabalho corporal entra como parte deste trabalho.

“O desenvolvimento da percepção corporal aproxima o sujeito de um mundo com múltiplas possibilidades além do foco da doença”.